Ser freelancer é a tendência atual, mas é preciso muito planejamento, organização, capacitação e networking para conseguir o fluxo de trabalho necessário para conseguir pagar as contas no final do mês

freelancer

Trabalhar por conta própria em casa (o chamado home office), sem precisar bater cartão e ter a liberdade e a flexibilidade para fazer os seus horários é o sonho de muitas pessoas. Entretanto, eu mesma nunca pensei em trabalhar neste sistema de trabalho, mas depois do nascimento do meu filho em 2013 não encontrei melhor solução para ficar mais perto dele. Gastava muito tempo no trânsito e não sobrava muito tempo durante a semana para ficar com a família.

Ser freelancer é a tendência atual, mas é preciso muito planejamento, organização, capacitação e networking (rede de contatos) para conseguir o fluxo de trabalho (jobs) necessário para conseguir pagar as contas no final do mês. Principalmente nos primeiros meses. Mas, não desanime! Ser freelancer, principalmente se você tiver conhecimentos em Marketing Digital, pode ser uma carreira bastante promissora.

As duas principais ferramentas que você deve usar para divulgar o seu trabalho é a internet, por meio das redes sociais (LinkedIn, Facebook, Twitter, etc.) e os contatos que você já fez e deve continuar fazendo, seja entre as suas amizades da faculdade, ex-colegas de trabalho e até pessoas que você conhece em cursos, palestras e eventos da área.

Mas, como dar o pontapé inicial na carreira de freelancer?

Nas próximas semanas vou publicar entrevistas realizadas com profissionais de sucesso que trabalham como freelancers para saber as suas dicas de como fazer sucesso neste sistema de trabalho cheio de altos e baixos.

Nesta primeira reportagem entrevistei Mauro Amaral, publicitário e editor especializado em conteúdo digital, que constrói, mantém e estimula equipes criativas há 10 anos. Ele também criou a produtora Contém Conteúdo e ainda dirige projetos bem legais como os sites Carreirasolo.org e o podcast FalaFreela.

Acompanhe a seguir o nosso bate-papo:

Digitais do Marketing: Mauro, você escreveu em um artigo em maio de 2016 em que dizia que o destino das pessoas era ser patrão. Pode explicar por que desta afirmativa?

Mauro Amaral: Se não me engano, o artigo que escrevi na época tinha a ver com a postura que, acredito, empresas e clientes esperam de um profissional hoje em dia. Vivemos em um tempo no qual tudo é imediato e “mora na nuvem”. Daí mesmo o profissional empregado em uma estrutura tradicional, precisa empreender, buscar soluções, fazer mais com menos, chegar mais cedo e sair mais tarde. Ou seja, o mundo em que vivemos – líquido, em rede e em nuvem -espera de todos nós uma postura de “dono de negócio”.

Digitais do Marketing: Na sua opinião, qual o perfil do profissional freelancer?

Mauro Amaral: O “profissional freelancer” existe de diversas formas e perfis. O pequeno prestador de serviços de uma área específica, o gestor de equipes multidisciplinares, o criador de startup enfim, o que antes chamávamos de freelancer, hoje assume diversos papéis. Em comum, todas as “encarnações” do profissional freelancer têm a capacidade de enxergar oportunidades, de serem “hard workers” e entregarem mais do que a média de seus pares.

Digitais do Marketing: Quais os atributos que este profissional deve desenvolver para ser um bom freelancer e ter sucesso neste sistema de trabalho?

Mauro Amaral: Já meio que respondi na questão anterior. Mas, complementando, um skill que é negligenciado e vejo fazer a diferença é o lado comercial do freelancer. Saber montar seu preço de forma competitiva, ter ferramentas para gerenciar entradas e finanças, se profissionalizar (notas, CNPJ etc). Tudo isso faz parte de um pacote que coloca quem o tem a algumas voltas de vantagem em relação à sua concorrência direta.

Digitais do Marketing: Nesta época de crise econômica no Brasil e no mundo, com milhões de desempregados, muitas pessoas estão pensando em se tornar freelancers.  Quais as dicas que você costuma dar para quem está interessado em começar a ser um freelancer?

Mauro Amaral: A primeira dica que sempre dou é: se você tem uma atividade, não a abandone em busca do sonho do “freelancer fulltime”. Nosso tempo não permite certos arroubos, temos que manter a base, uma entrada mínima. No entanto, se você já foi “desligado”, talvez tenha que se organizar para manter-se em atividade. Neste cenário, indico começar diminuindo custos drasticamente, montar um plano de gastos ANUAL e não mensal e iniciar sua prospecção. Neste momento, uma dica é ir atrás de locais com alta demanda, que vão variar de acordo com sua área profissional. Por exemplo, diretores de arte e designers, apresentem seu trabalho como FREELA em agências, que sempre contratam. Redatores/revisores em editoras e assim por diante. Procure também ter uma estrutura de preços para “brigar no mercado”, mas sem baratear demais e muito menos aceitar as famosas permutas.

Digitais do Marketing: Quais as principais armadilhas ou dificuldades que o freelancer de primeira viagem deve ficar atento para conseguir se sair bem nos primeiros trabalhos que conseguir?

Mauro Amaral: Vamos lá:

Parceria – normalmente quer dizer que você vai trabalhar, não receber e nem ter qualquer retorno;

Infoprodutos – as fórmulas do sucesso vão tirar de você o pouco dinheiro que está guardando. Não vá atrás desses gurus de última hora;

Escritório próprio – é uma tentação, uma vez que as coisas comecem a andar, tentar montar um escritório próprio naquele prédio charmosinho perto de casa. Os custos vão para a estratosfera;

Não investir em um sistema de contabilidade – sim, você precisa fazer essas partes chatas. A boa notícia é que existem startups no segmento que fazem um bom trabalho simplificando a vida do freelancer;

Não montar propostas com o escopo do projeto – e, por isso, trabalhar a mais com preço de menos;

Não entender o fluxo de demanda de seu mercado – sempre vão existir as vacas magras.

Boa sorte!

Jornalista pós-graduada em Comunicação com o Mercado pela ESPM-RJ, e em Gestão Estratégica da Comunicação, pelo IGEC/Facha. Gerente de Conteúdo e de Projetos do Digitais do Marketing. Redatora e Revisora da Web-Estratégica. Responsável pela Coluna Cultura Pop e Etc. do site Cabine Cultural e da Coluna Mãe 2.0 Beta do site Feminino e Além.