Você já deve conhecer o crowdsourcing. Com ele, grupos de pessoas se unem para desenvolver algo em conjunto através da internet: conhecimento (esse blog é movido por crowdsourcing), produtos, ideias e até dinheiro. É o uso da inteligência coletiva em prol de um bem comum. Um exemplo é o Fornighter, que reúne especialistas para desenvolver roteiros personalizados de viagem. Contudo, você deve estar pensando “o que minha empresa pode ganhar com isso?”. A resposta vai envolver a sua criatividade, mas podemos te dar algumas dicas.

Crowdsourcing - PesquisaPesquisa de satisfação: sites como SurveyMonkey e a própria ferramenta de enquetes do Facebook são dois exemplos para levantar a opinão das pessoas por meio de mídias sociais. Sim, isso não é nada muito avançado da boa e velha enquete que vemos com frequência na internet, mas é uma maneira sólida para conhecer a opinião de seus seguidores em sites de redes sociais. Lembre-se que, se o seu número de contatos for pequeno, pode ser que a sua amostragem acabe sendo praticamente insignificante.

Peça ideias: se você vende produtos e serviços, por que não tentar descobrir se os consumidores têm ideias legais para o seu negócio? A Starbucks fez os clientes inventarem novos sabores de Frapuccino e a Fiat fez seus clientes criarem um carro. Não deve ser tão difícil assim fazer com que seus próprios clientes inovem em seu lugar. Pode ser que as ideias não sejam aproveitadas, mas pelo menos você terá gerado interação em suas redes sociais na internet.

Crowdsourcing - Dinheiro Peça dinheiro: essa é complicada e pode gerar críticas, mas por que não? São tantas ferramentas de crowdfunding juntas… Projetos sócio-ambientais podem ser levantado também através dos seus fãs. Claro, você também poderia iniciar um levante de produtos ou serviços que apoie causas sociais e ambientais, mas a sua empresa pode pensar em maneiras diferentes de fazer a mesma coisa. Ah, é importantíssimo lembrar que esse tópico não faz sentido nenhum se a sua marca for muito grande. Provavelmente a marca será chamada de aproveitadora, mercenária e assim por diante.

Crowdsourcing - IdeiaFaltou ideia? Diz que é crowdsourcing! Isso foi tema de uma palestra no Social Media Week São Paulo 2012 por um motivo bem simples: várias empresas já estão se aproveitando disso para criar ações em que o público se sente mais participante. Se você ainda não decidiu o nome de uma promoção, peça ajuda para seus seguidores. Deixe eles escolherem o prêmio que será ofertado no seu concurso cultural. Faça com que seus contatos em sites de redes sociais criem para a sua empresa, especialmente quando você estiver sem ideias.

Mas como ter segurança e prevenir que o cliente não vai decidir por algo horrível? Faça como a Fiat, filtre as publicações e dê destaque apenas às ideias boas. Tenha um regulamento claro que impeça a participação de conteúdo ofensivo, que envolva a concorrência ou que ofenda a “moral e os bons constumes”. Dependendo do caso, coloque em votação apenas aquilo que a empresa aprovar. Dessa forma você poderá ter um controle maior das situações.

Agora a contradição: será que isso é crowdsourcing ou só mais uma versão de enquetes? Depende do ponto de vista. Vamos observar o caso da Fanta, que está deixando os clientes escolherem o próximo sabor de refrigerante que será lançado. Isso é crowdsourcing ou só mais uma enquete? Ao primeiro olhar, podemos dizer que é apenas uma pesquisa boba para gerar interação relacionada ao lançamento de um novo produto, mas precisamos observar como o cliente se sente. Será que ele pensa que está só votando ou realmente se sente parte de uma criação coletiva? Se a resposta for a número dois, podemos dizer que sim, é crowdsourcing. Vai depender bastante da apropriação que o cliente tem de uma situação.

O que você pensa sobre esse assunto? Já tentou colocar o cliente no comando em alguma situação? Comente!