Eleições 2012 e o marketing político digital

Eleições 2012 e o marketing político digital

Eleições 2012 e o marketing político digitalComeço este artigo com a frase “A estrutura de campanha de Obama está para as campanhas tradicionais como a empresa Google está para uma empresa convencional”. O autor da comparação é Umair Haque. Estudioso, especialista em economia e colunista no Harvard Business Review, publicação da Universidade de Harvard. A frase é uma referência à última campanha do presidente americano e a utilização das redes sociais no marketing político.

O número de pessoas com acesso a internet cresce a todo o momento. Cerca de 83 milhões somente no Brasil (dados: Ibope NetRatings). Elas passam horas navegando por diversos sites, incluindo Facebook e Twitter. O Brasil é o 5º país mais conectado do mundo (fonte: InfoExame Abr/12). Nesse cenário, não é tão complicado entender que um comitê político consegue através da rede, atingir diversos públicos em uma velocidade muito rápida, comparando com as campanhas tradicionalmente executadas anos atrás.

A participação nas mídias sociais vem ganhando mais espaço a cada ano político. Muitas equipes de marketing têm trabalhado para entender quais são os melhores caminhos a serem seguidos na  internet e qual a melhor forma de difundir as informações corretas sobre cada candidato. No universo político, a busca para garantir uma participação on-line já começou. Porém, a corrida para ter sua presença on-line garantida, deve ser pensada e muito bem analisada.

Os usuários de mídias sociais não são um público passivo e, portanto, não são todas as mensagens que serão simplesmente assimiladas, é preciso interagir e monitorar. A formação da equipe de trabalho de uma campanha de marketing político também é muito importante. Os serviços terceirizados devem ser definidos inicialmente e os envolvidos devem ter facilidade na entrega da informação. O monitoramento também deve envolver, além do conteúdo on-line, os eventos off-line, como declarações feitas na televisão, em comícios e debates. Os relatórios de monitoramento devem ser criados de acordo com as necessidades do cliente e divulgados entre as equipes envolvidas. Trabalhe sempre com sistemas de alerta para gerenciar crises e identifique os “personagens”: ativistas, simpatizantes…etc. Identifique ainda sexo, localização, preferências e os grandes influenciadores nos perfis monitorados.

Apesar de forte e crescente, a parcela on-line da população não representa a totalidade nacional ou total de uma região, por isso, também devem ser considerados em conjunto os dados off-line para uma melhor análise. Humanizar a figura de um político é fator bastante relevante dentro das mídias sociais, pois o aproxima dos eleitores, como um comentário sobre seu animal de estimação. Linhas de ação pré-definidas e respostas integradas também são importantes para o sucesso do trabalho, como por exemplo, “cuidar” separadamente de leitores indecisos. E é claro, evite ser invasivo no relacionamento com os eleitores.

Em um projeto de marketing político digital existe ainda muito trabalho a ser desenvolvido. Os temas devem ser aprofundados. È preciso ler, estudar e trabalhar com profissionais capacitados no assunto para conseguir resultados satisfatórios. Planejamento, estratégias e objetivos bem definidos, com muita pesquisa, análise e mensuração contínua. A campanha política digital não deve cometer o erro de ser apenas uma extensão da comunicação. Assim como a construção de uma marca, a imagem partidária na internet não é realizada apenas nas vésperas de uma campanha política. Um trabalho de longo prazo é primordial.

 

Fonte: texto baseado em artigo de estudo do Scup www.scup.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.